Lighttpd e Drupal

O lighttpd é um servidor web extremamente leve e rápido. E fácil de construir escalonamento.

Já diversas vezes me deparei com um apache sedento por memória e processamento.
Ou então, em algumas distribuições, o Apache vem meio que mal compilado, cheio de problemáticas, e o Debian está entre os que mais ouvi problemas.

Obtive resultados extremamente satisfatórios em se tratando de desempenho, utilizando o lighttpd com PHP no modo fast-cgi para servir websites que usam Drupal.
Porém o caminho não é tão limpo e delineado como o para utilizar Drupal com apache.

Já fiz dois posts com o caminho das pedras, um no blog da Chuva Inc., a empresa especializada em Drupal da qual me orgulho de fazer parte, e também na rede do coletivo metareciclagem, do qual participo há alguns anos.

Um outro pé-de-coelho é a extensão APC, o Advanced PHP Cache, que otimiza surpreendentemente o desempenho do PHP, com diversas técnicas de caching. Inclusive, ele será incluído na versão 6 do PHP.

Um aplicativo para legendar vídeos do YouTube

medium_video_icon_full.jpgEm mais uma daquelas navegadas na galeria de aplicativos AppSpot, o point do Google App Engine, encontrei mais uma boa pedida.

O YouTube Subtitle Editor, permite legendar vídeos do youtube, e tem ajuda bem detalhada em inglês.

Ao que parece, os vídeos com legenda são apresentados no próprio aplicativo, e os filmes originais do youtube não serão afetados diretamente.

O fluxo é simples: autenticar-se com uma conta google, adicionar um vídeo do youtube utilizando o ID do vídeo, transcrever e sincronizar.

Pode ser muito útil e divertido.

Viva Obama!

Não poderia deixar de, mesmo que com um pouco de atraso, postar algo sobre o grande advento do atual presidente eleito dos Estados Unidos da América ser um afrodescendente.

E mais, não é só mais um daqueles à lá Condoleezza Rice, nem como nos inúmeros filmes de Holywood que mostram presidentes negros.

Esse é um vitorioso real, e mobilizou um número inédito de eleitores a comparecer às urnas, mesmo em um país com voto facultativo. E venceu esmagadoramente.

Em um país como muitos, onde os negros já foram considerados inferiores, escravizados e privados de direitos políticos e até humanos, essa vitória representa uma revanche.

Que Obama consiga vencer a maré político-econômica que virá contra ele, que ele cesse as guerras em que os EUA se envolvem atualmente. Torço para que consiga no mínimo adiantar seu país em termos de respeito ao ambiente, explorando fontes de energia menos nocivas, e tudo mais.

Afinal, temos que admitir que hoje o país que dá as cartas (ou duplicatas) no mundo são os EUA. Eles mudando para melhor, beneficiam a todos nós.

ONU e SourceForge usam Drupal

Vi nesses dias, no blog do Dries Buytaert (criador do Drupal), dois grandes novos usuários de Drupal.


A Organização das Nações Unidas utilizou Drupal para organizar um grande evento do qual participaram quase 117 milhões de pessoas (isso mesmo, aproximadamente 2% da população mundial), o Stand Against Poverty.

Eles falam sobre o uso do drupal para a organização do evento neste post em inglês, onde ressaltam características boas do Drupal, como a usabilidade, o suporte multilíngue e a performance. Além disso, falam um bocado no post de quais módulos foram usados, e como otimizaram tudo para aguentar o tranco.

Também a SourceForge, grande referência do mundo Software Live, e maior serviço de hospedagem de projetos de software livre e opensource passou a utilizar Drupal em seu site corporativo http://www.sourceforge.com/

Nesse momento, consegui verificar neste link http://web.sourceforge.com/CHANGELOG.txt

Versão estável do módulo Views 2.0 disponível

Após três meses e meio do lançamento da versão de testes do módulo Views 2.0 para Drupal, o trabalho finalmente foi considerado pronto pela equipe.

Este módulo, juntamente com o CCK e o OG são chamados pela comunidade de Extended Core (Núcleo expandido), e apesar de não serem incluídos na instalação padrão do Drupal, possibilitam conteúdos muito mais ricos e abertos para organizações interessantes.

O novo views apresenta uma interface assíncrona em jQuery, que reduz a carga de páginas e torna muito mais agradável a tarefa de criar views - grosso modo, listagens de conteúdo minuciosamente configuráveis e programáveis, com múltiplas exibições.

Mais uma novidade, é que agora uma mesma view pode mostrar diversas páginas, blocos e feeds diferentes, podendo sobrescrever configurações da view internamente. Agora é muito mais simples criar uma view, que por exemplo exibe diversos blocos e só muda a maneira de exibição, mantendo os filtros, argumentos e ordenadores.

O CCK e o OG também apresentam novidades, mas ainda estão na fase Release Candidate (candidato ao lançamento).

Drupal.org abre a edição de páginas de ajuda para todos os cadastrados

Quinta-feira passada, o site do projeto Drupal.org anunciou o início de um mês de experiência mantendo as páginas handbook (páginas de ajuda) abertas para a edição do público.

Após um mês, os mantenedores avaliarão se a abertura trouxe resultados proveitosos e decidirá sobre a manutenção ou não da abertura.

Vou tratar, pessoalmente de contribuir com o que puder, pois acho essa abertura muito proveitosa para a qualidade da ajuda contida no site do CRM que sustenta minha família atualmente.

Vale lembrar que o site Drupal.org atualmente é todo em inglês.


Veja mais:

Everyone can edit handbook pages!

Microsoft, PHP e Drupal

O recém-lançado Microsoft Web Application Installer lista o Drupal como uma das aplicações suportadas pelo instalador que visa facilitar a instalação de diversas aplicações web.

Acho isso muito importante, pois significa uma maior difusão do Drupal, tendo em mente que a maioria dos usuários de computador ainda usa MS Windows.

A Microsoft tem tomado algumas atitudes contrárias à campanha de marketing de alguns anos atrás anti-linux.
Começou na parceria com a Novell, para ajudar na integração Linux (SuSE) e Windows, e uma mãozinha no Mono, uma implementação opensource da plataforma .NET

Estão começando a notar a relevância e importância dos projetos de software livre e de código aberto. Inclusive criou o OSS Labs, um laboratório onde há bonecos de pelúcia do Tux ( veja com seus próprios olhos :).

Como já está bem difundido, a Microsoft está apoiando a conferência de php deste ano.

Com iniciativas deste tipo, vamos observando o império gigantesco usando o que tem para se adaptar ao mundo que muda.

Stainless: Primeira tentativa de demonstrar o Chrome no Mac OSX

Saiu agora a segunda tentativa de mostrar o poder do Google Chrome no Mac: Stainless.

[flickr-photo:id=2925731037]

A primeira tentativa chama-se CrossOver Chromium, feita pelo pessoal da CodeWeavers, que produz a versão paga e com suporte do Wine - o CrossOver Office, utilizava o processo de emular o windows, e rodar um Google Chrome compilado especialmente para isto.

O tal Stainless é uma iniciativa despretensiosa, não propondo ser um browser completo e sim um preview para curiosos. Mas utiliza a interface nativa do Mac OSX, sendo muito mais leve, rápida e estável.

Enquanto isso, a equipe Google segue trabalhando no Chrome para Mac, como podemos acompanhar aqui.

Fonte: TUAW

PrintWhatYouLike - imprima apenas o que quiser nos sites

Vi hoje na listagem de aplicações do Google Gears uma aplicação em destaque: PrintWhatYouLike.com - que traz o slogan: "Economize dinheiro e salve o meio-ambiente"

[flickr-photo:id=2920589418]

É um serviço gratuito que permite imprimir a parte que você deseja de qualquer website, podendo também remover imagens específicas e planos de fundo de elementos.

A aplicação abre o website, e permite que se selecione elementos do documento, tornando possível remover partes do documento, e selecionar os elementos a serem impressos.

Já está sendo bem útil para mim, e acho que pode ser de utilidade para muitos também!

Update: O serviço também oferece um Bookmarklet, um botãozinho na sua barra de favoritos para você acionar o serviço para a página onde está navegando.

Porque Drupal, e não um outro CMS?

Um dia desses estava conversando com um amigo que está de entrada no mundo dos CMSs, e ao conversar sobre o assunto me senti desafiado a refletir e procurar resignificar a minha escolha por Drupal.

Na verdade, as coisas aconteceram de repente e fui puxado muito rapidamente para o campo gravitacional do Drupal no início de 2008, sabendo que era um bom destino. Mas ao tentar expressar o que me parece óbvio, faltaram palavras.

Depois de alguma reflexão, percebi que há três grandes pilares de sustentação na minha preferência por Drupal: comunidade, flexibilidade e arquitetura.

Comunidade:
os desenvolvedores e usuários de Drupal costumam ter um nível de compartilhamento bem alto, tendo em vista a movimentação internacional que acontece no portal Drupal.org. Há milhares de módulos contribuídos e mantidos por membros desta comunidade, e muitos destes colaboradores participam ativamente e com frequência destas atividades. A movimentação da multidão é visível a olho nu.
Flexibilidade:
no Drupal, o conteúdo é um node (nó) - uma entidade granular. E estes nós podem ter suas propriedades e funcionalidades enriquecidas ou modificadas através dos módulos. Um node pode ser uma página, um artigo, um evento no calendário, uma mensagem do cliente, uma tarefa, um feed, e o que mais alguém imaginar e implementar. A organização do conteúdo é extremamente flexível e orgânica - ao invés de sessões ou categorias, é possível definir os vocabulários que forem convenientes, e adicionar ou permitir que se adicionem termos a estes vocabulários. Daí, pode-se ter diversas estruturas de catalogação taxonômicas ou folksonômicas.
Com o módulo CCK, fica fácil modificar as propriedades dos nodes, sem a necessidade de programar - configurando as propriedades através da própria interface de administração. E com o módulo Views é possível montar da mesma maneira visualizações de conteúdo que podem ir de simples listagens a complexos Google Maps.
E ainda tem muito mais possibilidades com os milhares de módulos disponíveis.
Arquitetura:
o Drupal é bem estruturado, o código e as APIs são bem documentadas. Apesar de praticamente não apresentar construtores de classe, aplica princípios de orientação a objetos como encapsulamento, herança, polimorfismo, etc. O núcleo usa ganchos (hooks) para permitir que os módulos ajam sobre as funcionalidades básicas, e sistema de Temas é bem definido em uma camada em separado do núcleo e dos módulos.

Com esta base, o Drupal torna-se uma ferramenta ideal para a publicação de conteúdo ou construção de conhecimento na web, deixando sempre o caminho livre para o acréscimo de funcionalidades e ajustes conceituais.

Divulgar conteúdo