DrupalCamp Campinas 2

Já tem data marcada a segunda edição da DrupalCamp Campinas!

Nos dias 31 de Outubro e 01 de Novembro de 2009 a comunidade Drupal do Brasil e países próximos terão seu espaço para trocar idéias e conhecimento, fazer novos contatos e amigos.

O anúncio inicial foi feito na forma de um evento na rede linkedin.

Assim que vierem mais informações, compartilharei elas por aqui.

Update: As datas confirmadas são 31 de Outubro e 01 de Novembro

Update (2): Para se inscrever, basta acessar http://drupalcamp.com.br/

Nova casa do Blog, experiência com Gentoo

[left][/left]
Uma das coisas que este final de semana rendeu foi a transferência deste blog para uma VPS (Virtual Private Server), que abrigará em breve mais blogs pessoais de funcionários da Chuva Inc.

A iniciativa de criar um ambiente específico requer um pouco mais de trabalho, mas traz benefícios importantes como performance e segurança. E o trabalho nem foi tanto assim, o processo todo levou 3 horas.

O linode foi a opção de hospedagem VPS mais barata, e que não tem toneladas de reclamações. Desce o começo só trouxe boas surpresas, até agora.

A opção de Sistema Operacional foi o Gentoo, distribuição GNU/Linux que se mostrou incrivelmente amigável com a linha de comando, com um gerenciamento de pacotes exemplar.

A escolha de webserver também foi cuidadosa, levando em conta performance e simplicidade. O lighttpd vem desempenhando uma performance irretocável.

Code Freeze do Drupal 7

A chamada "Melhor Versão do Drupal até agora" já está na fase de code freeze, que basicamente significa congelar a criação ou modificação de funcionalidades e trabalhar na qualidade do software.

Como o próprio Dries cita no post do drupal.org sobre o assunto, há excessões que podem ser necessárias e bem-vindas, mas já estamos na reta final para o lançamento da nova versão.

Veja mais detalhes no post do José no blog da chuva.

Boas conquistas para o Brasil na comunidade Drupal

Um de nós, o José San Martin da Chuva Inc foi para a mais recente DrupalCon, em Paris.

Das boas novas que vieram de lá, algumas são importantes para a comunidade brasileira, como a organização da tradução em http://localize.drupal.org , onde se autentica com uma conta do Drupal.org e se pode participar da tradução do Drupal e dos diversos módulos contribuídos pela comunidade.

A outra novidade é que sediaremos a DrupalCon South America em 2010, e uma série de eventos da comunidade Drupal ocorrerão na região.

Update: Confiram o post do José com os hightlights da Drupalcon Paris 2009

Mudança de Ares!

in

Ontem realizei minha mudança para Barão Geraldo, Campinas.
Trabalho há cerca de um ano para uma empresa daqui, e recentemente aumentou a necessidade de trabalho presencial. Sendo assim eu vinha viajando o trecho diariamente, algo extremamente cansativo e estressante.

Assim, pela primeira vez a família Ferreira (Lourenzo, Karina e Pedro) se muda.

Estamos todos felizes com a mudança de ares e com o maior tempo de convívio, e mais presença do pai (que sou eu :)

Em breve, teremos fotos do pedaço, e uma festa de estréia com os amigos. Estamos ainda desencaixotando coisas.

OTRS: Um bom sistema Open Source para CRM

Há alguns meses, meu grande amigo Ronaldo Richieri me convidou para ajudá-lo em uma questão em uma implementação do OTRS, o Open Ticket Request System, no caso para uma universidade do Rio de Janeiro.

Foi uma oportunidade boa para relembrar do OTRS, que já havia nos ajudado em tempos da antiga Computador Usado.com (que mudou de dono, de nome, de endereço e de filosofia). Lá na época havia grande entusiasmo pelo uso do software livre, inclusive como ferramenta para a democratização do uso do software e substituto do software pirata.

OTRS é muito funcional para gerenciar call centers e equipes de suporte. Ou qualquer outra configuração de atendimento em equipe.
Ele pode ler diretamente os e-mails mandados para determinadas contas, autenticando-se, baixando as mensagens, indexando e organizando conforme for configurado.
Já há uma tradução completa e quase perfeita português (existem algumas palavras mal escolhidas, mas pode-se corrigir isso).

O grande forte do OTRS é sua maleabilidade e modularidade. Há diversos módulos para instalar, e extensas opções de configuração e parametrização, tudo isso via interface web.

O que vejo como ponto fraco do sistema é a falta de documentação para se desenvolver módulos próprios, e até a arquitetura um tanto hermética, principalmente para quem está acostumado com Drupal e sua amigabilidade com os desenvolvedores.

A parte de visualização também é um pouco pobre. Não é muito atrativa, e não tem muito estudo de usabilidade, quase sempre dá vontade de criar um novo tema, o que é perfeitamente possível. Mas tudo tem um limite, quando se pensar em enriquecer a interface com AHAH e AJAX, trombamos novamente com a arquitetura.

Mas na vida nem tudo são flores, e quase sempre as dificuldades no OTRS são superadas pelas qualidades.

Meu amigo precisava justamente de modificações que não eram possíveis com configurações, parametrizações ou módulos existentes.
Foi minha deixa para relembrar os velhos (e adquirir novos) conhecimentos em Perl, e ir fundo na arquitetura do OTRS.

No final das contas, a arquitetura do OTRS não oferecia uma oportunidade de interferência no que precisava ser mudado via módulo, sendo necessário criar um pequeno patch, modificando duas Actions e um Model do sistema.

Open Atrium: Drupal com sabor de Gerenciamento de Projetos

A Development Seed é uma das empresas de desenvolvimento web que mais admiro, por sua maestria.
Eles usam Drupal e desenvolvem em geral sites para grandes organizações.
O artista do time, Young Hahn é realmente muito talentoso.

Uma obra deles que entrou em fase beta recentemente é o Open Atrium, uma ferramenta para intranet com gerenciamento de projetos baseada em Drupal, com recursos fascinantes e visual bem polido.

No website do projeto é possível encontrar a versão mais recente para download, e o processo de tradução para Português Tupiniquim está em andamento.

O projeto traz uma prévia das melhoras de usabilidade que a versão 7 do Drupal trará.

Abaixo alguns screenshots para apreciação (clique para ampliar) :

Meu primeiro módulo publicado no Drupal.org - ImageField Assist

Nesse um ano e meio que tenho trabalhado com Drupal, já desenvolvi perto de uma centena de módulos.
Em sua maioria muito específicos, estendendo ou adaptando o Drupal a determinadas necessidades dos projetos.

Alguns nem tão específicos poderiam ser adaptados e publicados, mas acabaram prescindidos em função de outras coisas.

Mas em um dos projetos em que trabalhei recentemente surgiu a necessidade de implementar algo que poderia ser útil a muitos da comunidade drupal: um assistente para inserir imagens contidas em campos ImageField.

Basicamente, ao editar um node, bloco, ou qualquer texto multilinha, o módulo permite aproveitar imagens anexadas pelo ImageField em qualquer node no site, por meio de um assistente. Além disso também permite fazer uso do ImageCache, que redimensiona e armazena as imagens no lado do servidor, algo muito melhor do que simplesmente mudar as medidas na tag HTML.

Então comecei com um fork do módulo Image Assist, que faz algo parecido integrando-se com o módulo Image.
Modificando a parte pesada de localização e exibição de imagens, e também a integração com TinyMCE via WYSIWYG API, o módulo estreou uma versão de desenvolvimento.

Assim surgiu o ImageField Assist, meu primeiro módulo ativamente mantido no site do Drupal.

Lá há a versão mais recente download, além da ferramenta para reportar bugs ou pedir suporte.
Nesta página, o idioma para conversação é o inglês, visto que a comunidade Drupal está espalhada pelo mundo todo e convencionou o uso de inglês para comunicação.

Caso alguém precise de suporte em português, favor utilizar o grupo Brasileiro na comunidade Drupal.

Google Wave: Um jeito novo de se comunicar na web

wave_logo.png

Na última Google I/O foi apresentado um novo produto Google a ser lançado ainda neste ano.

Imagine o que os irmãos Rasmussen (Lars e Jens), criadores do Google Maps, estariam fazendo nos últimos dois anos.
Como o startup de mapeamento deles foi comprado pelo Google, se tornando posteriormente o que conhecemos por Google Maps, Lars e Jens são hoje engenheiros do Google.

Eles estavam tentando responder à seguinte pergunta:

"Como seria o e-mail se tivesse sido inventado hoje?"

O e-mail foi inventado quando a maior parte das tecnologias atuais eram praticamente inimagináveis.
E-mails são como cartas tradicionais: um envelope contendo um texto, enviado de uma pessoa para outra através de um entregador. Só que ao invés de papel, o envelope é um container digital (MIME), o texto é em bytes, e o agente um protocolo entre servidores.

wave_chat.png

Mas como os e-mail não são muito dinâmicos, foram criadas ferramentas de mensagens instantâneas para permitir conversas mais fluidas. O problema é que nem todas oferecem um sistema de histórico remoto, e quase sempre você espera a outra ponta digitar sua mensagem até o final para podermos ler e depois responder.

Imagine uma fusão de e-mail centralizado e conversa instantânea, onde você pudesse ler o que o seu amigo está digitando, em tempo real...
Uma forma mais rica e mais fluida de se comunicar, podendo ser síncrona ou não, permitindo controle de privacidade e publicidade, entre duas ou mais pessoas, e que pudesse ser recuperada quando houvesse necessidade, e oferecesse integração com seus serviços preferidos.

É mais ou menos assim que os irmãos Rasmussen pensaram a nova forma de se comunicar, mais ágil e completa.

Uma coisa muito interessante é que o Google Wave terá seu código aberto. E mais, toda a plataforma é pensada para permitir interação entre servidores diferentes, além de ter APIs para permitir estender suas funcionalidades tanto no cliente como no servidor.

wave_twitter.png

Por enquanto a fase de desenvolvimento é Developer Preview, sendo a idéia atrair um ecosistema de desenvolvedores para que no momento de lançamento oficial, já exista uma variedade grande de integrações com ferramentas e serviços existentes.

No site oficial do wave por enquanto há um vídeo da apresentação feira no Google I/O.
Nele são mostradas várias integrações que já foram implementadas, com serviços populares como Orkut, Twitter, Pesquisas Google etc.
Eu pessoalmente acho que o Wave tem tudo para se popularizar amplamente como novo meio de comunicação online nos próximos anos.

John C. Dvorak está atrasado?

Vi no Legal o artigo da INFO.

John C. Dvorak diz coisas como:

Me espanta o fato de os donos de empresas continuarem a pagar por um monte de código velho.

No último mês eu me tornei um grande fã do Ubuntu 8.10 e estou quebrando a cabeça para descobrir por que as grandes empresas ainda não adotaram essa distribuição Linux em todas as suas máquinas.

Eu sempre acho legal ver gente da imprensa abrindo a mente para o assunto. Mesmo em geral eles estando um bocado defasados.

Mas acho que a zona de conforto da MS ficou pra trás há anos. A MS previu sua hegemonia em risco, ainda nos tempos de Windows XP. Passaram literalmente anos tirando a poeira dos teclados e voltando a programar. Precisavam acompanhar as novidades dos concorrentes, que começavam a ganhar micro fatias de mercado e destaque na mídia.
Tentaram atacar o Linux. Tentaram contra-atacar a Apple.

Eles precisavam criar algo que tivesse as inovações que o Mac OSX e o Linux traziam. O nome desse desastre era Longhorn e depois virou Vista.
Foram muitos anos planejando, muitas promessas, muitos atrasos de lançamento, muitos requisitos de hardware, muitas versões diferentes, muitos problemas de compatibilidade, muitas perdas de mercado.
Sim, eles choram desesperados a cada 0,001% perdido.

Agora eles finalmente resolveram adotar bons modelos de desenvolvimento, prometendo menos e cumprindo o prometido, e tudo mais que funciona bem para empresas e comunidades que desenvolvem software. O nome da tentativa deles é Windows 7, e até agora mostra ser o melhor windows de todos os tempos, desde os primórdios quando ainda era considerado inovador.
O Seven não chega a inovar, mas está alcançando os concorrentes, e está extremamente leve em relação a seu antecessor, Vista.

E quem diria, agora fazem campanha para rebater os argumentos da apple, dizendo que PCs com windows saem mais barato do que Macs com OS X. Nada poderia ser mais óbvio.

Agora vejamos as jogadas seguintes. Torço para que a competição continue quebrando comodismos e forçando a evolução da tecnologia.

Divulgar conteúdo