Os memes e a evolução da vida

Acabo de terminar de ler o denso livro "O gene egoísta", de Richard Dawkins.

Através desta leitura, fui levado a um fluxo de reflexão.

Ao longo de todo o livro é tecida uma envolvente tese sobre a evolução da vida.
Ele enfatiza e argumenta a idéia de que tudo o que somos é determinado pelas entidades replicadoras, e que o famoso "bem da espécie" é uma falha de percepção. Segundo ele, não evoluímos como espécies ou indivíduos, mas como grupos bem sucedidos de genes. Dawkins usa o termo máquina de sobrevivência para se referir aos corpos dos seres vivos, como ferramentas de propagação dos genes.

A princípio, as únicas entidades replicadoras citadas são os agrupamentos de DNA definidos como gene. Mas no último capítulo vem o que mais me intrigou: Dawkins afirma que à parte da forma, a vida evolui sempre pela sobrevivência das entidades replicadoras.  Além disso, ele mostra como a cultura é um meio de evolução independente da genética.

Para definir a entidade replicadora cultural, o autor cria o termo meme abreviando a palavra grega mimeme, que representa o conceito de unidade de imitação. Exemplos citados por ele são as melodias, as idéias, os slogans, as modas de vestuário, entre outras. Estas idéias se propagam de cérebro em cérebro, de acordo com sua influência psicológica sobre os cérebros hospedeiros.

Essa idéia de unidades do indivíduo me trouxeram idéias. Talvez memes recebidos e processados pela minha individualidade.

Me vejo como um indivíduo que possui um corpo formado pelos genes que recebi de meus pais, mais a cultura adquirida pelas interações com as pessoas, mais a consciência de existir.

Além disso, vejo as conexões entre indivíduos como fator de aumento das chances de evolução da cultura, pois os indivíduos estão expostos a cada vez mais memes, vibrando os que mais têm vantagem evolutiva. Com mais memes sendo recebidos e propagados,  com ou sem modificações, o ritmo da evolução acelera-se cada vez mais.

Na medida que novas maneiras de conexão surgem, nos livrando das limitações espaciais e temporais, a evolução cultural tem sua aceleração aumentada.

Problemas com a TIM

É revoltante!
Desde sexta-feira não consigo fazer nem receber ligações de meu celular. Mesmo com as contas todas em dia, o serviço deixou de funcionar assim que cheguei de viagem em Sorocaba, vindo de São Paulo.

Durante o final de semana, contatei alguns amigos, e descobri que há muitos celulares da TIM na mesma situação em Sorocaba.
E, além de tudo, não há previsão para o retorno do serviço.

O pior é que o *222, número para contato gratuito com a operadora através de seus celulares, não funciona também.
O problema se dá apenas em alguns locais da cidade, o que dá a impressão de ser algum problema nas antenas da TIM.

Agora só me resta esperar. Acho que vale a pena, depois dessa, enfrentar filas no procon para cancelar o contrato com eles, sem a multa exorbitante.

Corrida atrás do Ônibus

Ontem, Sexta-Feira 31 de Agosto, estava indo para o primeiro dia em que a Papagallis realizou dois encontros simultâneos.  Um grupo era o Algarra e o Ronaldo, realizando o encontro na Bio Ritmo West Plaza. O outro era eu, Ligia e Alblum, realizando o encontro na Bio Ritmo Higienópolis.

Sem carona, fiz meu trajeto de ônibus. Mas logo de saída um problema: meu relógio estava atrasado, e não consegui alcançar o ônibus. Era tarde para esperar o próximo. Então, mesmo com 2 malas pesadíssima, puz-me a correr por um atalho no meu bairro, até alcançar o ônibus, a alguns quilômetros (ainda não consegui calcular, mas parece-me algo em torno de 4 Km)

Vejam no mapa o trajeto feito por mim e pelo ônibus:

[flickr-photo:id=2822346645]

Interesse da Lenovo em comprar a Seagate causa preocupações políticas

De acordo com o New York Times, a imponente empresa chinesa que comprou a divisão de PCs da IBM - Lenovo - manifestou interesse em adquirir a Seagate, que é um dos maiores fabricantes de HD dos EUA.

Isso gerou preocupações da parte do governo dos EUA, com possíveis riscos à segurança nacional de lá. Isso porque eles (EUA) têm restrições a respeito da transferência de alta tecnologia para outros países, ainda mais em se tratando da China.

A paranóia tem a ver com as tecnologias de criptografia usadas nos discos, para guardar informações com segurança.

Um conceito interessante de atendimento e documentação

Macaco do ning

Nas últimas semanas, estou envolvido no desenvolvimento de módulos (ou widgets) para redes sociais do Ning.
Ning é essencialmente uma plataforma, onde se pode criar uma rede social mesmo sem entender nada de programação. Mas se você entender, pode requisitar o código-fonte da sua rede, e a partir daí, desenvolver módulos ou adaptar as funcionalidades existentes às necessidades da sua rede.

Mas há algo realmente interessante por lá: O Ning não tem apenas uma documentação convencional, com índice e etc. Até existe uma documentação nesse modelo, mas é um tanto obsoleta. A maneira mais segura de resolver seus problemas é através de uma rede social. Uma rede social de criadores de redes sociais, assistida e amparada pelos colaboradores do Ning, e que acompanha de modo orgânico as necessidades comunidade. Até mesmo o desenvolvimento do Ning é em boa parte guiado pelas necessidades expressas pelos criadores de redes.

Mesmo sendo um serviço essencialmente gratuito, os colaboradores prontamente conversam com você e realmente se dispõe a ajudar. Não parece que eles estão no papel de funcionários, mas sim são pessoas com um conhecimento avançado sobre o Ning, dispostas a compartilhar este conhecimento com a comunidade.

Confesso que inicialmente estranhei um bocado essa maneira de atendimento, e a aparente dificuldade em entender as coisas. O Ning é um bocado complexo estruturalmente, e não há um PDF que se leia para ficar sabendo tudo sobre ele. Só mesmo hackeando (não invadindo, mas sim fuçando), e conversando com quem está no mesmo barco (às vezes como tripulação).

Mas no fim de tudo vem aquela sensação boa de estar aprendendo algo novo: como aprender em rede, como perguntar e como saber se isso já foi perguntado.

Dois vegetarianos no McDonalds

Sexta-feira passada, em um encontro de aprendizado que estávamos realizando na Bioritmo unidade Morumbi, eu e o Ronaldo saímos para um rápido almoço, e não nos restou opção além do McDonalds.

Como ambos somos vegetarianos, a idéia inicial era comer uma salada e umas batatas, só para tapear. Aí veio a notícia: eles têm um sanduíche vegetariano. O tal do Veggie Crispy, que é um empanado de verduras e legumes, em pão de 4 grãos. Muito saboroso por sinal, apesar dos fortes aditivos químicos usados de praxe por lá.

Só um detalhe: sai de linha essa semana. Um ponto a menos para eles, pois eu estava até considerando a possibilidade de passar por lá de vez em quando.

Dois vegetarianos no McDonalds

Arte no Lápis

in

Achei estes lápis incríveis, que provam que há japoneses com mais paciência do que se possa imaginar...

Este estilo é chamado "pencil carving", e por sinal exige uma habilidade incrível para ser executado.

As obras aqui mostradas são parte do Projeto JAD, e a maior parte das obras contidas na página original são de Mizuta Tasogare e Kato Jado.

Não são impressionantes?

Atualizado: Mudança no endereço do Feed

in


A todos os assinantes do feed deste blog, gostaria de pedir que trocassem o endereço dele para http://feeds.feedburner.com/LourenzoFerreira .

Depois de saber que a Google adquiriu o FeedBurner, por conta da solução de publicidade nos feeds, e pretende criar um tipo de adSense para feeds, além de saber que você tem estatísticas de leitura do seu feed, entre outras coisas, não perdi tempo em mudar meu feed pra lá.

De volta ao ar

in

Após um período de mais ou menos uma semana, meu blog teve problemas técnicos e ficou fora do ar.

Foi chato, mas já está resolvido...

Pena, porque aconteceram coisas interessantes, como o primeiro encontro do novo projeto da papagallis, na Bioritmo Tamboré.
Este post no blog da papagallis e este vídeo na rede social da papagallis mostram um pouco do que rolou por lá.

Voltando às atividades corriqueiras!

Estado lamentável

Uma campanha horrível que o jornal "estadão" lançou diz que blogueiros que não trabalham lá são macacos, ou esquizofrênicos, ou imbecis que só usam três teclas do computador: ctrl, C e V. Eu vi neste post do Brainstorm#9.

Uma atitude ao meu ver cega e suicida, pois eu mesmo não suporto nem ver os jornais deste "fabricante de idéias prontas" nas bancas. Acho que nem sequer frutas merecem ser embrulhadas em tal papel impuro.

Tudo bem querer vender seu peixe. Mas para isso, não adianta dizer que nenhum outro presta. É uma mentira óbvia, e eu sinto vergonha por quem quer que tenha contato com essa campanha e pensa: "É... já pensou?"

Afinal de contas acho muito bom essas instituições mostrarem logo a ideologia por trás da "cara moderna" e se desnudem diante de nossos olhos. Eles realmente acham que somos macacos. Subestimam e nos vêem inofensivos e que não temos poder de propagação de idéias. Não haveria lógica em publicar tal campanha se não pensassem assim.

Proteste também: espalhe essa imagem criada pelo Eduardo Fernandes.

Divulgar conteúdo