Novo tema

Depois de algum tempo repensando o design deste blog, acabei optando por um visual mais leve, com menos imagens, e mais ênfase no conteúdo.

O tema é baseado em Zen, e utiliza a biblioteca online de fontes Google Webfonts.

Rudix: Um gerenciador de pacotes diferente para mac

Atualizado em 10 de Abril de 2010, o Rudix é um gerenciador de pacotes para mac com um interessante diferencial: inclui todas as dependências nos próprios pacotes distribuídos, e os insere de uma forma mais integrada ao sistema.

Esta versão 2010 foi feita especificamente para funcionar no Snow Leopard (mas há uma listagem de versões anteriores que têm como alvo versões anteriores do Mac OS X), e traz uma série de bibliotecas (SDL, lame), ferramentas de uso comum em sistemas baseados em unix (como wget, readline) e até o servidor web lighttpd (meu favorito).

O MacPorts, um dos mais populares gerenciadores de pacotes, baixa os códigos-fonte do software desejado e todas as dependências para compilação local, guardando os arquivos em uma pasta /opt/local , que não é um local original do Mac OS.
Já o Fink traz os pacotes compilados, mas ainda precisa baixar dependências e também utiliza um outro local fora de padrão.

Com o Rudix, os pacotes trarão todas as dependências inclusas, em um formato mais compatível com o Mac OS (imagens contento instaladores .pkg), e serão instalados na localidade /usr/local , evitando sobrescrever a base unix do Mac OS X.

O número de pacotes disponíveis é consideravelmente menor do que os outros, o que impede o Rudix de ser usado como a única fonte de software livre baseado em unix no seu mac, mas ainda pode ser uma útil fonte de bibliotecas para compilar o PHP, e para obter programas simples como wget, gnuplot e outros.

Para ver a lista completa de pacotes, acesse a página do projeto.

MySQL 5.5 traz boas novas depois de ser comprado pela Oracle

Primeiro a Sun comprou o MySQL, depois a Oracle comprou a Sun.

Muitos, inclusive eu, tenderam a pensar que a Oracle iria preterir o desenvolvimento do MySQL, ou até sabotá-lo para trazer clientes para seu produto principal, o Oracle.

Mas ao que tudo indica, a Oracle decidiu afinar o produto, que apresentou a próxima versão do servidor de banco de dados aberto mais utilizado, a versão 5.5.

As grandes novidades são o foco em performance, estabilidade e escalabilidade, além de novidades como o InnoDB se tornando o engine padrão, e compatibilidade com transações ACID.

Veja o artigo original (em inglês) para mais detalhes.

Acompanhar páginas no Google Reader, mesmo sem feed?

Até hoje, quando eu precisava acompanhar atualizações de uma página com informações relevantes, mas que não tinha nenhum tipo de feed ( RSS / Atom ), o jeito era usar o Page2RSS ou algo similar.

Mas a Google acaba de anunciar a funcionalidade nova, que permite ao reader nativamente notificar as atualizações em qualquer página, mesmo que não tenha um feed.

Basta, na hora de adicionar uma inscrição (subscription) com a URL da página, que uma caixinha como ilustrada abaixo aparecerá avisando que a página não tem um feed, mas ainda assim será possível acompanhar as mudanças na página. Basta clicar em Criar Feed ( Create Feed ).

A partir daí, o google periodicamente verificará por mudança e as notificará no feed.

Adiós, Page2RSS

Recomeçar

in

Fiquei, por motivos familiares, um tempo sem blogar.

Infelizmente, nem tudo que a gente quer que dê certo funciona, e a vida nos leva por caminhos que nem sempre compreendemos.

Meu casamento se foi, mas ficam para sempre as mudanças boas que ele trouxe, e um lindo filho.

Finalmente extensões no Chrome para Mac

in

Há tempos eu vinha usando as versões mais bleeding-edge possíves do Chrome para Mac, ansiosamente aguardando as extensões.

Hoje de manhã, a equipe do Chromium anunciou oficialmente no blog de lançamentos do Google Chrome, uma nova versão no canal de desenvolvimento, que possibilita o uso de extensões, além de trazer a sincronização de Bookmarks, que até agora não funcionava.

A versão pode ser baixada em: http://www.google.com/chrome/intl/en/eula_dev.html?dl=mac

Se você estiver usando a versão beta, precisará sobrescrevê-la. Em alguns casos, o atualizador causa um problema de permissões. Nesse caso, precisará de uma conta com privilegios de administrador para primeiro apagar o aplicativo antigo, e depois copiar o novo.

Parece que logo teremos uma versão 100% funcional do Chrome para Mac.

Obrigado 2009

Hoje termina um ano, e também uma década.
Neste ano, apesar dos pesares intensificados pela mídia de massa, o Brasil cresceu bastante e realizou conquistas importantes. Além disso, muita gente tomou consciência do destino cruel que aguarda a humanidade caso ela continue se comportando como vírus.

Também, neste ano, eu e minha família nos mudamos para Campinas, meio-termo entre metrópole e interior. Nos mudamos por causa do meu trabalho na Chuva Inc., que também foi muito interessante neste ano.

Obrigado 2009, e bem-vindo 2010.

Feliz e próspero ano novo a todos.

Google Chrome para Mac e extensões

in

Após o lançamento da versão beta do Google Chrome 4.0 para Mac, confesso que fiquei um pouco decepcionado com algumas lacunas. Até uma semana antes do lançamento do Beta, o chromium apresentava suporte parcial a extensões, o que me permitia o uso de duas extensões simples, uma para checar o número de mensagens do gmail, e outra que fiz me baseando nesta, para checar o google apps da empresa.

Mas ao atualizar o Chromium (projeto opensource que é empacotado como Chrome) para a versão 4.0.276.0 (35038), percebi que além do suporte parcial anterior, também estão funcionando extensões que se utilizam das chamadas Page Actions, como por exemplo a extensão para detectar e assinar feeds automaticamente.

Francamente, acho que o Chrome deveria trazer esta funcionalidade por padrão, mas a velocidade acaba compensando as lacunas na minha opinião.

Mas vendo que está tudo funcionando neste release mais recente (apesar da aparência estranha) dá para supor que em breve teremos extensões no canal beta oficial para Mac.

Viva Zumbi, viva a Consciência Negra

[left][/left] Hoje, dia da Consiência Negra, que é adotado como feriado por uma parte das cidades brasileiras, é uma homenagem prestada a Zumbi dos Palmares, herói e símbolo da luta do povo tirado da África e escravizado, ora por liberdade, ora por igualdade.

Zumbi dos Palmares, morreu no dia 20 de Novembro de 1695, traído por um antigo companheiro, 195 anos antes da assinatura da lei Áurea no Brasil. Foi o último líder do Quilombo dos Palmares, o mais memorável da nossa História, resistindo aos ataques portugueses por mais de um século.

Até hoje, o espírito de luta continua presente na grande parcela da população brasileira que descende do povo trazido da África, pois mesmo depois de significativas conquistas (que podemos ver como demoraram para chegar), esta parte da população continua sofrendo com a herança da escravidão, discriminação e preconceito.

A defensoria pública do Estado de São Paulo, nesta semana iniciou uma campanha para incentivar as pessoas que ainda sofram com preconceito e discriminação a procurarem amparo legal, seja pela defensoria pública, seja por meio de advogados particulares. A campanha teve boa repercussão na mídia, e instrui o recolhimento de provas e testemunhas para que a justiça tenha mais chances de ser feita.

É responsabilidade de todos agirmos em prol da liberdade e igualdade, e lembrar sempre (não apenas nos feriados) que o problema ainda existe. Veja por exemplo este vídeo do Manifesto Porta na Cara, do circo voador, onde podemos constatar o preconceito racial nas portas de entrada das agências bancárias:

Distribuindo mais convites para o Google Wave!

Ganhei mais alguns convites no wave, separei boa parte deles para novamente presentear meus leitores que ainda não estejam no Google Wave.

Os comentadores ganham um convite para o Google Wave.

Ah, só uma coisa... Quem conecta pelo Google Friend Connect, por favor me manda o nick e o e-mail pelo formulário de contato, até eu descobrir se tem jeito de trazer o e-mail dos Google Friend Conectados.

Update: Ainda tenho convites.

Divulgar conteúdo